O ideal de cada povo

Se você observar filmes brasileiros e americanos, você verá que os americanos criam personagens como Rambo, as Panteras, Indiana Jones e os Intocáveis. Se você observar os ingleses (pais dos americanos), você encontrará James Bond. Poderíamos citar vários outros. Qual é a característica comum destes personagens anglo-americanos? São super-dotados, realizam façanhas incríveis, ultrapassam os limites do possível.

Já os personagens brasileiros, via de regra, são travestis, vagabundos, malandros, mulherengos de quinta categoria, “gérsons” que procuram “levar vantagem em tudo, certo?”!!! Ou são idiotas como Os Trapalhões, como Oscarito ou como Carmen Miranda (bananas na cabeça).

O que tem isto a ver com a economia de um país ou com gestâo? Você deve estar questionando meu artigo!!! Quando você cria um filme, você expressa sua cultura. Quando os americanos e os ingleses criam personagens que ultrapassam os limites do possível, eles colocam na fantasia o modelo de executivo que tem sucesso em sua sociedade. Eles criam um modelo, um padrão de atitude. Querem atingir metas. Querem fazer mais do que os outros. Querem o que ninguém consegue.

Quando nós brasileiros elegemos como heróis idiotas simplórios na tela, que no final “se dão bem”, nós também comunicamos nosso ideal: trabalhar pouco e lucrar bastante.

O resultado destes ideais nós conhecemos muito bem: Estados Unidos e Inglaterra estão entre os mais ricos do mundo e nós conseguimos crescer somente mais do que o Haiti.

Lula nada mais é do que a triste realidade destes personagens brasileiros: o retirante que “se deu bem”. O pobre que recebeu como seu primeiro diploma o de presidente da república. Lula chorou quando recebeu o diploma. Nós brasileiros também deveríamos chorar. Quando um país tem um presidente cujo primeiro diploma é justamente o de presidente, este país ESTÁ FADADO AO FRACASSO!!! E o treinamento? E a educação? E o preparo para lidar com um orçamento de mais de 200 bilhões de dólares??? O resultado aponta para mensalões, mensalinhos e pobreza!!!

Quem são os personagens de sua empresa? Quem são seus heróis? Você deve revisar profundamente sua lista de valores. Você ensina realmente os valores de sua empresa para todos?

Na mais recente “novela das oito” da rede Globo, há um personagem (“um jovem executivo de sucesso “, interpretado por Fábio Assunção), que protege o emprego dos funcionários e um bordel. Este é o herói da novela!!! Enquanto isto, bandidos no Rio arrastam crianças pelo asfalto, matando vidas, famílias e sonhos.

Por favor, seja cada vez mais rigoroso no seu processo de seleção. Seja cada vez mais obstinado no seu processo de ensinar os valores de sua empresa para seus empregados. Não temos saída para o lucro a não ser ensinar os valores do capitalismo para nossos colaboradores. O herói de sua empresa deve ser o funcionário que gosta da empresa, que gosta do seu chefe, que trabalha mais do que o contratado, que “dá o sangue” pela companhia!!! Os vagabundos chamam a este perfil de “puxa-saco”. Os vitoriosos chamam a este perfil de “ganhador”!!!

Um grande e fraterno abraço para todos.
12 de março de 2007.

Paulo Ricardo Mubarack