O padrão

28/03/2012

Às vezes, só sabemos o final da história. Rede TV!, Gol, Marisol e Schincariol em dificuldades financeiras. Este é o final da história, até agora. Mas e a história toda? Por que a crise? O que veio antes da dificuldade financeira, do prejuízo e da desordem? Por que a perda do controle? A falta de padrão é, sem dúvida, uma das causas. Alguém pode afirmar: “Não foi padrão, não. Foi erro de estratégia, foi investimento mal feito”. Mas formular uma estratégia também requer padrões e modelos mentais, não é simplesmente intuição. O investimento foi mal feito por falta de um padrão para analisar e viabilizar ou abortar investimentos.

Padrão é necessário para tudo? Bem, a resposta é "sim, padrão é necessário para tudo em uma empresa". Existem exceções? Devem existir, mas sinceramente não estou interessado nelas. Se observarmos friamente a rotina de uma empresa, chegaremos facilmente à conclusão que 99% dos erros vêm da falta de padrão ao se fazer algo. Esmagou a mão na prensa porque não cumpriu o padrão de segurança. Perdeu uma venda porque sequer tinha um padrão para vender. Houve um ruído forte com o melhor cliente porque não havia um padrão de comunicação. As entregas atrasam com frequência porque não há um padrão para selecionar, avaliar e atuar constantemente junto às transportadoras. A máquina quebrou porque o operador não estava treinado no padrão de operação. O governo multou porque não existe padrão para estar sistematicamente atualizado com a legislação. O investimento foi um desastre porque não se tem um padrão para analisar investimentos. O projeto extrapolou largamente o orçamento porque não há padrão para a elaboração, execução e acompanhamento de projetos. Aquele risco infelizmente tornou-se realidade porque se desconhece um padrão para gestão de riscos... Por aí vai a farra das falhas em uma organização, destruindo o caixa.

Precisamos entender que padrão não é simplesmente um conjunto de regras que precisam ser seguidas, mas que representa, de fato, quais as convicções que uma empresa tem sobre o jeito de fazer as coisas bem feitas e obter resultados. Quando uma empresa quebra? Quando perde o controle. E quando perde o controle? Quando cada um faz o que bem entende. E quando cada um faz o que bem entende? Quando não existe um padrão. Padrão significa agilidade, significa método, significa a melhor prática, significa a repetição que traz a excelência, significa agilidade, significa identidade, significa que o trabalho foi estudado, foi pensado e foi treinado.

Escrever um padrão implica em estudo, em pesquisa, em esforço, em atenção ao detalhe, em possibilidade de auditoria. Padrão é referência, é base para a melhoria, é redução de custos, é segurança, é garantia de não regredir.

O padrão elimina falhas grosseiras, significa legado, herança, continuidade e evolução. Padrão é produtividade controlada. É transmissão de tecnologia. Às vezes, olho para trás e não entendo como uma empresa pode seguir seu caminho sem padrões. E me surpreendo como o padrão ainda pode ser confundido com burocracia ou gesso.

Uma empresa precisa ser formal para não perder o controle. Informalidade pode ser boa em uma festa ou no convívio da família, mas na empresa é um desastre.

Paulo Ricardo Mubarack