O que significa um padrão

17/09/2012

Padronizar representa muito mais do que simplesmente escrever procedimentos para que todos executem as tarefas da mesma forma. Padronizar significa um ato de respeito para com todos os públicos envolvidos com o trabalho. Você, quando padroniza, deve estudar meticulosamente o trabalho e mostrar para sua equipe, para os acionistas e para os clientes que você os respeita, pois procura fazer o trabalho de forma estudada, reduzindo as probabilidades de acidentes, defeitos e desperdícios. Não cuidar da padronização é um ato de extrema falta de respeito e irresponsabilidade profissional.

A padronização é um assunto ainda pouco explorado na maioria das companhias brasileiras. Pensa-se que padronizar, além de ser um ato burocrático e sem importância maior, é escrever o que deve ser feito pelo operador. Como, em princípio, o operador sabe o que precisa ser feito, o padrão torna-se um instrumento de segunda linha, não sendo escrito ou ficando desatualizado, o que dá mais ou menos na mesma.

Padronizar significa estudar o trabalho, estudar seus riscos, estudar a produtividade envolvida em cada tarefa e definir o perfil de quem o executará. Além disto, significa elaborar cuidadoso treinamento e depois da execução, auditar. Em outras palavras, padronizar significa ter zelo pelo trabalho e pelos resultados. Significa respeitar operadores, eliminando riscos de acidentes, respeitar o cliente, mitigando a possibilidade de defeitos e respeitar o acionista, reduzindo de todas as formas possíveis o custo.

A padronização é um ato de higiene: o trabalho fica limpo, fica transparente para todos e a equipe torna-se mais respeitosa para com ela própria e para com tudo ao seu dor. Quando você trabalha em um ambiente padronizado, você enxerga tudo com mais clareza e com mais dignidade. O erro torna-se algo remoto e, quando acontece, não é o erro grosseiro e repetitivo que deixa a todos cabisbaixos e arrasa com o moral da tropa.

Li recentemente uma frase de Sêneca que diz: “Dar um livro para alguém, além de uma gentileza, é um elogio”. Da mesma forma, dar um padrão para um operador, além de uma obrigação, é um ato de respeito para com ele e para com todos os públicos envolvidos com o trabalho. Alguém estudou meticulosamente o trabalho e colocou o conhecimento, de forma organizada, em um procedimento escrito, testado, treinado e auditado.

Faço muitas perguntas para todos os níveis hierárquicos nas empresas onde atuo e verifico como, muitas vezes, falta conhecimento. Muitos profissionais simplesmente não entendem e nunca estudaram com profundidade o seu próprio trabalho. É fácil imaginar-se o resultado disto: pouco ou nenhum treinamento, falta de ferramentas básicas (como fluxo de caixa ou gestão de projetos) e uma boa dose de desmotivação para o trabalho. Quando alguém executa tarefas para as quais não tem um excelente preparo, tudo fica mais cinzento e sem significado. O padrão dá um colorido especial para a vida corporativa. O resto é conversa de desocupados.