O segredo

10/11/2008

Há épocas em que as pessoas e as empresas ficam mais carentes do que o normal. Tempos de recessão e crises financeiras são momentos típicos de busca de soluções rápidas e milagrosas. Algumas empresas tentam soluções sofisticadas mas talvez nada seja mais negligenciado ainda nas empresas do que o relacionamento com o cliente.

O segredo é trabalhar muito, estudar mais ainda e respeitar o cliente sobre todas as coisas. Há épocas em que as pessoas e as empresas ficam mais carentes do que o normal. Tempos de recessão e crises financeiras são momentos típicos de busca de soluções rápidas e milagrosas. Recentemente, circulou pela Internet e pelos DVDs mensagens e vídeos sobre “o segredo”, uma espécie de auto-ajuda, exortando a práticas duvidosas para a obtenção do sucesso.

“Não fale em prejuízo”, “tudo o que você pensa, você atrai”, “somente pense em coisas boas”, “você pode ter o que quiser ter, basta mentalizar”, “você pode ter solução simples para problemas financeiros, de saúde, de relacionamentos” etc. Estes são os conselhos que mencionam a “lei da atração” : você atrai as coisas nas quais se foca, boas ou más.

Não quero mexer no abelheiro. Muita gente bem intencionada leu “o segredo” e acreditou! Não quero mexer com o que leram até mesmo porque só há bons conselhos ali. Nada de mau é ensinado. Mas...

Mas o que é péssimo é levar pessoas a pensar que basta a mentalização. O que atrai riqueza e prosperidade é muito trabalho, estudo e o amor pelo cliente. Talvez nada seja mais negligenciado nas empresas do que o relacionamento com o cliente. Não basta vender produtos e faturar. É necessário que os clientes tenham muito sucesso com o nosso produto. Ter interesse genuíno pelo êxito do cliente com a utilização dos nossos produtos é a verdadeira garantia da riqueza. O pós-venda, a análise com rigor das necessidades do clientes, o tratamento simpático e sem horários, a flexibilidade, o respeito, a consideração, o “algo a mais” que surpreende o cliente, este é o verdadeiro segredo. Facilitar a venda, simplificar a burocracia para aprovar o crédito, eliminar qualquer dificuldade para a forma de pagamento, informar o cliente sobre os atributos e o uso do produto, interessar-se realmente pelo problema dele, estas são maneiras de progredir.

Tudo o que temos nos foi proporcionado pelos clientes. As férias maravilhosas, o carro, o excelente vinho da janta, a escola de nossos filhos, tudo foi originado pelo depósito que o cliente fez na conta de nossa empresa. Quando menciono clientes, estou me dirigindo a todos, indistintamente, pois todos têm clientes. Qualquer funcionário tem como cliente principal a própria empresa onde trabalha. Não é ela que o paga no final do mês? Então ela é cliente. Falar mal do patrão e da própria empresa onde trabalha é falar mal do cliente.

Sou cliente há mais de 30 anos de uma rede de supermercados onde os gerentes nem me cumprimentam. Todos os que estão lendo este texto teriam certamente pelo menos 3 histórias semelhantes para contar. Alguém duvida, portanto, que o relacionamento com o cliente ainda é a tarefa mais negligenciada nas empresas? E esta tarefa pode fazer toda a diferença na hora decisiva da competição.