Preste atenção no boi, não no homem

13/10/2011

Preste atenção nos resultados de quem você está selecionando. Não importa se o recrutamento é externo ou interno, preste atenção apenas nos resultados, pois o resultado é cruel. Ele retira todos os penduricalhos e deixa apenas a realidade. Não preste atenção nas roupas, no perfume e nas palavras do candidato. Não interessa o que ele sabe, interessa o que ele já realizou e o potencial que tem para realizar. Preste atenção no boi e não no vendedor do boi.

É surpreendente como homens de negócios se deixam impressionar pelas aparências. Conheço uma série de homens e de mulheres, profissionais desqualificados que conseguem, mesmo que por pouco tempo, posições importantes nas organizações por possuírem boa aparência, serem articulados, usarem boas roupas, conhecerem bons restaurantes, bons vinhos e bons roteiros turísticos. Parece que temos a necessidade da representação. Precisamos mostrar alguns troféus para a sociedade e estas pessoas simbolizam estes troféus. “Vejam como meu presidente se veste bem e tem inglês fluente”, “observem meu gerente de marketing, as gravatas que ele usa!”, “esta é minha diretora de RH, sintam o perfume dela” etc. Todas estas frases tolas estão muito mais perto da realidade do que se possa imaginar. São as patricinhas e os mauricinhos que alguns empresários fazem questão de contratar. Quando são meras figuras decorativas, tudo bem! O problema acontece quando são colocadas em posições de comando, pois causam muitos estragos antes de serem, finalmente, demitidas.
posições de comando, pois causam muitos estragos antes de serem, finalmente, demitidas.
Uma empresa precisa ser simples. Aliás, a fase mais avançada da sofisticação é a simplicidade. Gente muito bem vestida, perfumadíssima, usando salto alto, não é recomendável para uma empresa focada e objetiva. Atribui-se a um dos principais acionistas da AmBev a seguinte frase: “...não gosto de empresas onde há mulheres e homens bem vestidos demais para o ambiente”. Pura verdade! O ambiente de negócios deve refletir simplicidade e roupas e perfumes demais, muito propícios e desejáveis em outras ocasiões, não são bem vindos neste contexto, pois transmitem a mensagem de excesso, de superficialidade e de falta de foco.
Deixar-se seduzir não é uma boa escolha para os negócios. Quem procura gestores na rua, ao invés de selecioná-los internamente, procura (e acha, na maioria das vezes) encrenca. Além de promover pessoas da casa, outro antídoto para evitar a sedução na seleção é a análise nua e crua dos resultados que estava pessoa já obteve. O resultado É CRUEL. Olhe para os resultados, não olhe para a pessoa. Donald Keough, célebre executivo da Coca-Cola conta que seu pai, certa vez, pediu-lhe que analisasse a viabilidade de compra de uma boiada em uma cidade do interior americano. Keough tinha 17 anos e seu pai era especialista em negócios com bois. Enquanto Keough negociava com o vendedor da boiada, seu pai o observava. Quando finalmente a negociação terminou, Keough recomendou a seu pai a compra, que contrapôs a opinião do filho, mostrando vários pontos negativos na mercadoria. Keough ficou envergonhado por não ter visto as falhas, algumas muito evidentes. E seu pai fez a declaração definitiva: “Você errou na avaliação porque prestou mais atenção no homem do que na boiada. O vendedor estava bem vestido, argumentou muito bem e você ficou olhando para ele. Devia ter olhado somente para os bois”.
Que lição, hein? Este é um ótimo ensinamento: olhe para o produto, não olhe para o show armado pelos vendedores, pois eles vão tentar distraí-lo e seduzi-lo, não permitindo que você se concentre no que realmente interessa, que é o produto.
Quando você for, portanto, selecionar alguém, concentre-se nos resultados que esta pessoa já obteve. Empreste muita pouca ou quase nenhuma importância ao currículo. Muitas vezes, são amontoados de mentiras e a maioria das empresas não checa. E esta situação vale de office-boys a presidentes. Fique de olho nos resultados e não na aparência, palavras e roupas de quem você está selecionando.