Tratamento intensivo (a regra da uti)

27/10/2008

Encontro seguidamente projetos que consomem milhões de reais sem acompanhamento adequado nas empresas. Também identifico situações críticas, como a execução do plano de vendas ou a implantação de um sistema em TI sem o gerenciamento correto. O resultado destas deficiências aparece logo em seguida na forma de atrasos e de prejuízos. Aplico sempre com sucesso a regra da UTI (tratamento intensivo).

Encontro seguidamente projetos que consomem milhões de reais sem acompanhamento adequado nas empresas. Também identifico situações críticas, como a execução do plano de vendas ou a implantação de um sistema em TI sem o gerenciamento correto. O resultado destas deficiências aparece logo em seguida na forma de atrasos e de prejuízos. Projetos com orçamento de milhões de reais e situações críticas de vendas, TI ou produção, são importantes demais para terem um acompanhamento apenas “burocrático”. Gestores erram perigosamente quando verificam o andamento destas atividades com baixa freqüência. Muitos me perguntam qual é a freqüência adequada. A resposta é simples assim: CHECAR TODOS OS DIAS o progresso e as falhas. Todos os dias pode parecer muito, mas não é. Chamo a estas situações de “colocar a atividade na UTI (unidade de tratamento intensivo)”. Assim como um paciente que tem delicado estado de saúde precisa de cuidados especiais e freqüentes, também um projeto ou plano de vendas precisa de checagem diária.

Já ouvi inúmeras vezes o presidente e diretores queixando-se dos atrasos nos lançamentos de produtos novos. Como fazer para corrigir? A área de P&D parece ser um gargalo eterno dentro das empresas. A resposta é simples: o presidente e diretores devem exigir um cronograma detalhado dia a dia das tarefas do desenvolvimento de um produto e checar diariamente. Qualquer atraso deve ser imediatamente identificado e tratado. Quando escrevo que deve ser diária a verificação, não estou fazendo uma figura de linguagem. Estou falando sério! Se um executivo disser que diariamente é uma freqüência exagerada, então acaba de admitir que a atividade não é tão importante assim. Se for vital para a empresa, o projeto ou o processo deve ser acompanhado com detalhes dia após dia. Por que muitos executivos não o fazem? Indisciplina, falta de paciência e falta de gosto pelo detalhe são as principais causas.

Já resolvi problemas graves em clientes apenas aplicando a REGRA DA UTI: dar tratamento intensivo para a situação. Muito dinheiro pode ser poupado desta forma. Colocar foco total no problema. O melhor desta solução é que ela não tem custo adicional para as empresas. Precisa apenas de executivos dedicados, disciplinados e conscientes de uma regra básica no mundo dos negócios: aquilo que você olha todo dia, cresce para o lado bom. Quando um executivo me diz que não teve tempo para acompanhar diariamente um projeto de 40 milhões de reais, eu pergunto: se você não faz isto, o que você faz então?