A vida do tamanho certo

29/03/2010

Empresas e pessoas não podem ter suas vidas definidas no TAMANHO ERRADO. O plano de negócios e o orçamento doméstico são semelhantes: precisa-se gastar menos do que a receita. Simples? Óbvio? A maioria das empresas e das pessoas parecem desconhecer este princípio básico e se afundam em dívidas.

Para viver dignamente, precisamos de uma casa, saúde, alimentação, roupas, trabalho e escola. Assim como faço para as empresas, recomendo para profissionais em todos os níveis que organizem sua vida pessoal para ter o tamanho certo. Isto significa gastar entre 80 a 90 % do que ganham, não interessando o quanto ganham. Os 10 % restantes devem ser poupados. Profissionais que não têm sua vida pessoal organizada desta forma ficam ansiosos e inseguros, o que reflete direta e negativamente em seu desempenho no trabalho. Entram em um pântano de difícil saída: ganham pouco porque tem mau desempenho, tem mau desempenho porque são ansiosos e inseguros e são ansiosos e inseguros porque ganham pouco. Muitos nunca saem deste círculo maldito.

Dependendo do salário de cada um, sacrifícios enormes precisam ser feitos para poupar 10 %. Para muitos que lêem este texto, pode parecer uma utopia. Mas é absolutamente necessário para o sucesso profissional que se faça isto. Não tenha carro, não conserte o rasgo no sofá, não compre roupa nova, não dê presentes, não vá a restaurantes, mas poupe. Pessoas muito humildes realizaram “milagres” desta forma, como pagar a faculdade dos filhos ou comprar uma casa humilde, mas própria.

Existe uma diferença muito grande entre a tristeza de não ter alguns prazeres do consumo e a ansiedade e a insegurança das dívidas.

Conheço muitos profissionais, inclusive alguns que ganham muito bem, que vivem no cheque especial, contraem dívidas impagáveis e que abalam profundamente seu desempenho. Vivem acima da linha recomendada de 80 % a 90 % dos seus rendimentos. Acham que são o que não são e que desta forma jamais serão. Não tem foco no trabalho porque não tem a mínima paz financeira. Não conseguem se concentrar nas suas profissões e se afundam na ansiedade. Citei inúmeras vezes a palavra “ansiosos” ou “ansiedade” porque para aprender, para bater metas, para compreender os processos que gerencia ou onde simplesmente trabalha operacionalmente, um profissional precisa de paciência e de tranqüilidade. Pessoas arrogantes e consumistas ao extremo normalmente têm suas carreiras prejudicadas pelo padrão ilusório de vida que sustentam abaixo de juros bancários. A receita é simples, portanto, e está escrita no primeiro parágrafo deste texto. Serve para pessoas e serve para empresas.

Paulo Ricardo Mubarack

051 81 82 71 12

[email protected]

www.mubarack.com.br