Eles fizeram a parte deles

19/08/2013

O mundo é injusto e caixa é poder. Verdades simples, não muito agradáveis, mas não resta para os gestores outra saída a não ser parar de reclamar das agressões externas e fazer planos, organizar processos e reforçar o caixa para suportar a guerra. O mundo sempre faz a parte dele, que é agredir sua empresa. E você, está fazendo o que? Reclamando?

O presidente de uma empresa estava em uma reunião do conselho queixando-se das interferências do poder público em sua operação, dos concorrentes, dos preços dos insumos e de outras agressões do mundo externo. Eu apenas disse a ele: eles estão fazendo a parte deles. Gostaria agora de saber quem vai e como vai - planos de ação - fazer a nossa parte.

Ele concordou.
A ideia é muito simples: o mundo é injusto e caixa é poder. Reclamar adianta para baixar o moral da equipe e deixar a todos fracos e mal humorados. Reclamar não ajuda, só atrapalha. O mundo vai fazer a parte dele, ou seja, agredir nosso castelo. O que realmente importa é que façamos a nossa parte, ou seja, trabalhar muito duro, com muita intensidade, criar planos de ação e processos que reajam às agressões e cuidar do caixa como quem cuida de um diamante raro.

Quem espera um mundo amigo e não cuida do caixa, reclama, surpreende-se e enfraquece sua empresa.
Ser estoico significa aprender a sofrer, suportar adversidades e reagir de forma ordenada. Um psiquiatra disse-me há pouco tempo atrás que "atualmente a adolescência inicia aos 10 anos e termina aos 45", referindo-se às atitudes juvenis de barbados que deveriam saber como enfrentar a vida.

Sempre afirmo e confirmo com insistência que o principal processo de uma empresa é recrutamento e seleção. Se houver pouco cuidado com quem empregamos, teremos sérias dificuldades em breve.
Entender como o candidato lida com os problemas, verificar se tem tendência para "vítima" e testá-lo consistentemente é obrigação da companhia. Mais força precisa ter este processo quanto mais alto for o cargo.

Paulo Ricardo Mubarack