Gerenciando equipes muito ruins

15/10/2010

Para que servem os gestores a não ser para, com escassez de talentos e de dinheiro, conseguir equipes de alta performance? Ganhar o jogo com muito dinheiro e gente excelente à disposição, qualquer um ganha. Ser gestor é saber trabalhar com privações, não reclamar e obter, ainda assim, excelentes resultados. Se não fosse assim, para que serviriam os gestores?

Muitos gestores organizam o trabalho como se fossem ter à disposição os melhores funcionários do mundo. Como evidentemente não têm, queixam-se de sua sorte e da empresa, crucificando “a incompetente área de RH, que nunca consegue selecionar os empregados de que preciso”. Sempre afirmo que ninguém é pago para ser ingênuo ou para trabalhar em um mar de rosas, com abundância de dinheiro e de pessoas talentosas. Portanto, um gestor com um mínimo de competência administrativa e senso da realidade não pode preparar seus processos contando com os melhores profissionais, pois a probabilidade de que não conte com mão-de-obra extremamente qualificada é muito grande. O gestor precisa estudar, com o auxílio de RH, os perfis que realmente terá à disposição (em função do mercado e do salário que a empresa pode pagar) e preparar o trabalho para ser feito com garantia de qualidade mesmo com uma equipe muito ruim. E, o melhor, sem queixas!

Como se gerencia um grupo ruim? Missão impossível? Longe disto. Em primeiro lugar, como já escrevi, o gestor deve estudar detalhadamente o mercado e compreender com clareza quem terá à disposição. Se não for “o time dos sonhos”, precisa arrumar em seus processos:

1. Treinamento forte.

2. Padrões documentados.

3. Supervisão excelente.

4. Automação (toda que for possível). 5. Inspeção rigorosa.

Todos estes cinco itens serão planejados em função dos perfis reais e não em função de perfis sonhados, mas inexistentes. Eles amenizarão o fato do gestor ter uma equipe ruim. A falha não reside no fato de não termos pessoas talentosas e automotivadas à disposição, mas no fato de não reconhecermos e não nos prepararmos para esta realidade. Sonhar ou reclamar certamente não são bons negócios e não resolvem absolutamente nada. Ter funcionários muito jovens e/ou mal pagos e/ou com perfis fracos não é desculpa para equipes de baixa performance. Muitos gestores são preguiçosos e procuram o atalho, isto é, não preparam planos de treinamento, não escrevem procedimentos, não mapeiam processos, não desenvolvem (estes, sim) supervisores excelentes, não estudam automação nem implantam inspeção rigorosa. Não têm paciência para isto. Preferem a zona de conforto onde acusam a empresa e RH de não contratarem as melhores e mais talentosas pessoas. É preferível um cara muito bom gerenciando um grupo de idiotas do que o contrário! O gestor precisa viver um paradoxo: ter um grupo ruim (exagerando na expressão) e, mesmo assim, ter a capacidade de organizar o trabalho para suavizar esta ruindade e obter resultados. Se não fosse assim, para que seriam necessários os gestores?

Paulo Ricardo Mubarack

051 81 82 71 12

[email protected]

www.mubarack.com.br

www.mubarackconsultoria.wordpress.com