Nunca vou procurar o caminho mais fácil

03/05/2013

Nunca vou procurar o caminho mais fácil porque seguramente estarei mal acompanhado. Há um segundo motivo também: o caminho mais fácil normalmente é lento, caro e representa “o longo caminho curto”. O caminho fácil é próprio de gestores e executivos desqualificados, aqueles que não querem ralar e que se apegam à soluções fáceis que detonam com o caixa da empresa. Quem quiser acreditar neles, prepare seu bolso e boa sorte.

Nunca vou procurar o caminho mais fácil por um motivo muito simples: seguramente estarei mal acompanhado! Sempre fui encontrado em meio a discussões fortes nas empresas. Tenho muitos amigos e pessoas que me admiram e respeitam e também tenho alguns que me odeiam. Bom, isto não é nada heroico ou fantástico, é apenas meu DNA.

O assunto deste texto não sou eu, mas a decisão necessária para qualquer executivo: nunca procure o caminho mais fácil. Além de você estar mal acompanhado por toda sorte de vadios, medrosos e desqualificados, você vai gastar mais tempo e mais dinheiro da sua empresa e pode obter resultados pífios ou até mesmo nenhum resultado.

Exemplos do “caminho mais fácil”:
1. Comprar um software muito caro, tentando sanar problemas cuja origem não guarda qualquer relação com tecnologia;
2. Comprar máquinas complexas, caras e de difícil manutenção, fugindo dos problemas reais de produtividade, falta de padronização e indisciplina da sua turma;
3. Trazer executivos grandiloquentes de fora da empresa, tentando ocultar o fato de que sua firma tem um RH ruim, que não desenvolve pessoas;
4. Simplesmente copiar os processos de outras empresas de sucesso, sem colocar massa crítica e adaptar a cópia à sua realidade;
5. Contratar consultorias caríssimas sem a devida preparação para recebê-las;
6. Contratar treinamentos caros e soltos, sem passado (a demanda real) e sem futuro (sem um plano de ação rigoroso para implantar e auditar o que foi aprendido);
7. Investir em infraestrutura de forma irracional, tentando escapar de trabalhos simples e disciplinados de racionalização;
8. Baixar preços e reduzir margens, ocultando que sua equipe de vendas é péssima e inconsequente, a ponto de não terem um plano detalhado de vendas.
9. Demitir sem critérios, da mesma forma que admitiu sem critérios;

A lista de “caminhos mais fáceis” é interminável e torna os incompetentes que a seguem muito parecidos com os comunistas e socialistas do século passado: o problema é que estes caras, no final das contas, esgotam o DINHEIRO DOS OUTROS.

Com o talão de cheque dos acionistas à disposição, qualquer idiota se traveste de presidente, diretor ou gerente. O problema é que um dia, a conta vem...

Paulo Ricardo Mubarack