O que vem depois de uma palestra?

15/05/2013

Qualquer palestra em uma empresa deve ter passado, presente e futuro. O passado é a identificação clara do problema que deve ter sua solução auxiliada pela palestra. O presente é o evento e o futuro é o plano de ação que será elaborado após a palestra para que os ensinamentos possam ser colocados em prática. Palestra não é show, não é um momento para relaxamento ou apenas uma atividade isolada. Ela, no mínimo, precisa ser encarada como uma tarefa de treinamento dos que participam e que, portanto, precisa ter sua eficácia mensurada. A solução do problema representará a medição. Contratar uma palestra de maneira isolada, sem continuidade, é coisa para burros.

O que vem depois de uma palestra?
Sou convidado com frequência para proferir palestras em empresas onde não atuo como consultor. Raros são os convites que aceito. Embora mais fáceis do que a consultoria, palestras em empresas ou em ambientes desconhecidos não exercem qualquer atração sobre mim. A razão é muito simples: para fazer um bom trabalho, eu preciso acreditar nos seus efeitos e eu sei que provavelmente minha palestra não provocará nenhuma mudança ou resultado substancial na empresa que me contrata. Uma pesquisa recente da Universidade de Michigan mostra que menos do que 15% dos funcionários que assistiram a uma palestra em suas empresas aplica algum conceito aprendido no evento para melhorar sua produtividade no trabalho. Quando uma empresa desconhecida me convida, sempre pergunto qual é exatamente o problema que pode ser resolvido com minha palestra, como este problema é medido e monitorado, qual foi o plano de ação que apontou minha palestra como necessária e por que eu fui o escolhido. Também questiono o que acontecerá após a palestra. Normalmente acontece apenas um coffee break! Só que eu não quero saber da festinha após o evento, eu quero saber qual é o plano de ação para colocar em prática o que eu vou ensinar. Como para muitos todas estas perguntas parecem uma grande bobagem, eu continuo fazendo muitas palestras e treinamentos apenas nas empresas onde atuo como consultor, porque lá eu sei o passado, o presente e o futuro da palestra. O passado é o problema, o presente é o evento e o futuro é o plano de ação para aplicar os ensinamentos.

Oriento, portanto, que as empresas pensem melhor antes de investir às cegas, com baixíssima possibilidade retorno. O palestrante precisa ser especialista na solução do problema motivador da palestra e não aquele que está com agenda vaga, como acontece na maioria dos casos. Contratar uma palestra sem todos estes cuidados é como ir à drogaria sem ter ideia da doença que se tem, pedir qualquer medicamento, se não tiver o que foi pedido pode ser qualquer outro, e utilizá-lo apenas uma vez, sem qualquer preocupação com os efeitos e com a continuidade. Em palavras bem simples, contratar palestras deste jeito é coisa de burro!

Paulo Ricardo Mubarack