Os fugitivos do trabalho

13/12/2013

Todas as pessoas precisam ser testadas no fogo e nos piores lugares de uma empresa antes de serem promovidas. Somente quem passou pela Operação, Produção, Vendas, Compras ou Logística roeu o osso duro. Nas outras áreas, embora o trabalho nunca seja fácil, a dificuldade é menor, assim como também a exposição e o risco. Cuidado com o perfil de quem prefere apenas estes lugares para trabalhar.

Muitos profissionais querem apenas o filé mignon e não querem a carne de pescoço. Este desvio se acentua de forma proporcionalmente direta ao tamanho de uma empresa. Para você chegar nos melhores lugares de uma organização, você precisa antes ralar, e muito, nos piores lugares dela e provar que você é “borracha forte”. Muito bunda-mole prospera nas empresas e às vezes chega até a diretoria porque sempre borboleteou por áreas mais leves e nunca realmente foi testado no fogo da batalha. Algo mais ou menos como se o comandante dos SEALs americanos nunca tivesse ido para a selva ou para o deserto matar inimigos, trabalhasse o tempo inteiro na preparação da logística de treinamento e depois na área de comunicação e, de repente, fosse promovido a comandante da tropa. Seria ridículo e irresponsável. Pois esta distorção acontece, e com frequência, em muitas empresas. Quem nunca ralou na Operação ou na Produção, em Vendas, Compras ou Logística, comandando equipes onde existe “de tudo”, onde a pressão é constante, onde não há final de semana tranquilo e onde a exposição e o risco são enormes e onde a responsabilidade por metas é gigante, é promovido porque fez política junto ao acionista e palpitou muito nas reuniões com aquela pose de quem sabe tudo.

Cabe ao gestor de RH, juntamente com a diretoria, estabelecer o processo para testar as pessoas e somente promove-las pelo mérito e após provarem suas condições nas piores condições de trabalho e nos desafios mais infernais.
Do contrário, uma empresa terá tenentes fortes e generais fracos. Os tenentes “encherão o saco” e irão embora e a os generais posudos e fracotes, os reis do Power Point e inimigos mortais da urgência e da execução, conduzirão a empresa para o buraco.

Paulo Ricardo Mubarack