Parafraseando Tolstoi

10/12/2013

Todas as empresas de alta performance se parecem. Para ser ruim, há mil maneiras, para ser vencedor há só um caminho: estratégia empreendedora com modelo financeiro vencedor, corte impiedoso e constante de custos e o entendimento de que o SIG (sistema integrado de gestão) é Deus, não há nada fora dele, ou seja, tudo acaba em indicadores de desempenho, padrões e planos de ação.



“As famílias felizes parecem-se todas; as famílias infelizes são infelizes cada uma à sua maneira”. Parafraseando Tolstoi, eu afirmo que “as empresas de alta performance parecem-se todas; as empresas medianas e ruins são ruins cada uma à sua maneira”.

Empresas de alta performance sempre têm:

  1.  Um estrategista para definir claramente o modelo do negócio.
  2.  Um bad boy para liquidar com custos e com as frescuras.
  3.  Um comandante SEAL para colocar o sistema integrado de gestão (SIG), com indicadores, padrões e planos de ação utilizados por todos.

 

O comandante SEAL garante que haja sucessores para o estrategista, para o bad boy e para ele próprio, dentro do SIG.

Todas empresas de alta performance têm cultura forte, imutável e claramente definida e implantada e não tolera violações à cultura. O espírito de dono prevalece. Todos cuidam de coisas muito importantes. Não há lugar para secretárias, assessores, escritórios de apoio e outros cargos que quase nada agregam de valor. Apenas somam custos.

Toda empresa de alta performance tem 80 % de suas lideranças abaixo dos 35 anos. Investe pesadamente nos jovens e “bota” rapidamente as pessoas para trabalhar. Treina e promove. Selecionam bem, treinam bem e reconhecem bem. Impera a meritocracia. 

As empresas ruins fazem outras mil coisas, menos estas. Há uma só maneira de alcançar alta performance. Há mil maneiras de não alcançar.