Resultados excepcionais

21/01/2013

Fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes é um atestado de loucura. Pode até parecer uma piada, mas 6 ou7 entre 10 empresas cometem este desatino ano após ano. Com pequenas e insignificantes mudanças, preveem crescer acima de 20 ou 30%. Logicamente não crescem e obviamente a culpa é colocada no mundo externo. O câmbio não ajudou, o preço do produto caiu no mundo inteiro e algumas outras desculpas esfarrapadas. Não se engane, portanto: os loucos estão à solta. Resta verificar se você ou alguém de sua empresa não se comporta como um deles. Onde mesmo estão as grandes mudanças e os esforços excepcionais que você vai executar para obter resultados excepcionais?

É voz corrente que um atestado de loucura é dado quando alguém faz sempre a mesma coisa e espera resultados diferentes. Pois, loucura ou não, este absurdo continua sendo muito praticado nas organizações: no final do ano passado, previram crescimento entre 20 a 30 % na receita líquida e na rentabilidade (quando o mundo inteiro cresce abaixo de 4 %) e os inexistentes ou fraquíssimos planos de ação indicam que a empresa vai continuar fazendo a mesma coisa, ou seja, vendendo para os mesmos clientes, ofertando os mesmos produtos (exceto inovações insignificantes), operando na mesma estrutura de custos e trabalhando com a mesma estrutura de capital.

Não tenho qualquer receio ao afirmar que aproximadamente 6 ou 7 entre cada 10 empresas não têm planos de ação escritos, criticados, estudados e em execução. Os orçamentos foram elaborados com base em dados históricos, carregam os vícios do passado e carecem de análises profundas e isto inclui os investimentos, o que é um risco que ninguém precisa correr. Técnicas como orçamento base zero, 5W-2H, Pert/CPM ou até mesmo um mísero gráfico de Gantt (o manjado cronograma) não são usadas. Não existe nem mesmo um plano de treinamento, viagens técnicas ou algo semelhante para desenvolver fortemente os executivos.

Resta a pergunta: como, dentro dos parâmetros de sanidade mental considerados normais, um gestor espera crescer entre 20 a 30% conduzindo sua empresa dentro deste quadro?

O resultado desta loucura é conhecido por todos nós: as empresas não batem metas. É simples assim. No final do ano, os gestores reúnem-se com os acionistas e todos se consolam afirmando que os concorrentes também não atingiram os resultados e que a culpa é do mundo externo (governo, câmbio etc.). Demitem gente, um ou outro gestor também vai prá rua, mas a saga continua. Sabem quando uma empresa destas irá atingir metas? Em anos de excepcional crescimento econômico, isto é, quando todos também crescerem. Não basta se consolar com a desgraça geral para quem deseja ser campeão. É preciso um esforço excepcional para se obter resultados excepcionais. Este esforço de alta intensidade significa muitas horas de trabalho após o expediente, enquanto “os normais” descansam. Este é preço da vitória: o esforço excepcional. Avalie sua empresa e veja se você não está agindo como um louco!